jusbrasil.com.br
5 de Abril de 2020

Locação sem garantia pode ser muito mais vantajosa ao Locador! Entenda o porquê.

Bruno Angeli Perelli, Advogado
Publicado por Bruno Angeli Perelli
há 2 meses

Não, caro leitor. Você não leu errado!

É de conhecimento geral que, ao oferecer um imóvel para locação, uma das maiores preocupações do proprietário é justamente a garantia que o Locatário indicará, a fim de cobrir eventuais inadimplementos.

De acordo com a Lei de Locações, são quatro as modalidades de garantia cuja escolha cabe ao Locador: caução, fiança, seguro de fiança locatícia e cessão fiduciária de quotas de fundo de investimento.

Em artigo anterior, explicamos objetivamente sobre cada uma delas, texto ao qual remetemos o leitor.

Mas se a legislação possibilita que o Locador exija a previsão de uma garantia, por qual razão pode ser mais vantajoso manter o contrato “descoberto”?!?

Para responder a essa questão, em primeiro lugar, será preciso explicar quais os passos a serem seguidos quando o Locatário, por exemplo, deixa de pagar o aluguel, que é a situação de descumprimento mais comum no diaadia.

Verificado o não pagamento do aluguel, cabe ao Locador ajuizar a conhecida ação de despejo cumulada com cobrança de aluguéis e encargos – e, aqui, tanto faz se há atraso de um dia ou de três meses, conforme artigo que também publicamos sobre esse tema.

Ocorre que, distribuída a ação perante o Poder Judiciário, existe uma série de trâmites processuais que precisam ser seguidos e respeitados até que o imóvel seja, enfim, desocupado e, principalmente, até que o débito em aberto seja efetivamente pago!

E é aqui que mora o problema.

Utilizemos, em nosso exemplo, um contrato de locação em que o Locatário é Antônio e a garantia prevista é a fiança, na pessoa do fiador José. Supomos, ainda, que o primeiro mês não pago foi fevereiro de 2019 e que o proprietário, Pedro, aguardou 3 meses sem nenhum pagamento para ajuizar a ação de despejo e cobrança.

Com o ajuizamento da ação em maio, podemos prever os seguintes trâmites processuais:

- Distribuição a uma das Varas Cíveis e remessa ao juiz;
- Despacho inicial determinando a citação dos réus Antônio e José;
- Remessa ao cartório para expedição dos mandados de citação;
- Carga dos mandados de citação pelo oficial de justiça e prazo de 30 dias para cumprimento;
- Juntada dos mandados cumpridos aos autos, abrindo o prazo de 15 dias úteis para que os réus apresentem defesa;
- Apresentação de defesa pelos réus.

Apenas para este bloco inicial de andamentos obrigatórios e considerando a experiência de tempo médio em São Paulo, Capital, podemos considerar o transcurso de dois a quatro meses (em sendo competência do foro de Santo Amaro ou Penha, por exemplo, podemos alargar e muito esse prazo!).

Além disso, qualquer problema na citação de algum dos réus, como a devolução do mandado por não ter sido o fiador encontrado, gerará de um a dois meses adicionais para cumprimento de um novo mandado.

Considerando que tudo dê certo e as defesas sejam apresentadas, restam, pelo menos, os seguintes atos:

- Intimação do autor para manifestação em réplica, em 15 dias úteis;
- Remessa ao juiz para despacho saneador;
- Audiência de conciliação e eventual produção de provas;
- Prolação de sentença, com prazo de 5 dias úteis para embargos de declaração, e/ou recurso de apelação em 15 dias úteis.

Notícia boa: esta segunda fase, finalmente, coloca fim à primeira etapa do processo!

Notícia ruim: já estamos na primeira quinzena de dezembro e, de acordo com o Novo Código de Processo Civil, os prazos processuais ficam suspensos entre os dias 20 de dezembro e 20 de janeiro!

Desta forma, Pedro, que está sem receber há quase um ano, passa as festividades de fim de ano e, em fevereiro de 2020, recebe a informação acalentadora de que a Lei de Locações prevê que os recursos interpostos em suas ações não suspendem os efeitos da sentença, de modo que, recorrida ou não, poderá iniciar, enfim, a execução do despejo – desocupação – e da cobrança – recebimento dos atrasados.

Iniciam-se, então, os procedimentos executórios específicos que envolvem, entre outros, a expedição de mandado – também a ser cumprido em 30 dias - concedendo prazo de mais 15 dias para que o Antônio deixe o imóvel espontaneamente. Apenas vencido este prazo – já em meados de março de 2020 – é que abre a possibilidade do derradeiro despejo forçado.

Paralelamente, não podemos nos esquecer dos aluguéis de mais de um ano atrasados e que precisam ser pagos, seja por Antônio, seja por seu fiador José.

E aqui vem a grande decepção... Após Locatário e fiador serem intimados para, em 15 dias, realizarem o pagamento desta vultosa quantia e permanecerem inertes e, mais do que isso, diante de tentativas frustradas de bloqueios de valores em conta, o Locador se dá conta de que, desde a assinatura do contrato de locação 3 anos antes, a situação financeira de José, o garantidor, mudou completamente e, simplesmente, inexistem ativos que cubram o valor da dívida.

Frustrante, não?

Agora, após a história triste, voltemos ao início dessa relação retirando a figura de José, o fiador, tornando o contrato de locação desprovido de garantias.

Neste caso, o que muda é que, verificado o inadimplemento, torna-se possível a retomada efetiva do imóvel em menos de dois meses!

Isto porque, em 2009, a Lei de Locações passou a prever a possibilidade de decretação de despejo liminar, caso a ação se fundamente em falta de pagamento e o contrato não disponha de garantias:

§ 1º Conceder-se-á liminar para desocupação em quinze dias, independentemente da audiência da parte contrária e desde que prestada a caução no valor equivalente a três meses de aluguel, nas ações que tiverem por fundamento exclusivo:
(...)
IX – a falta de pagamento de aluguel e acessórios da locação no vencimento, estando o contrato desprovido de qualquer das garantias previstas no art. 37, por não ter sido contratada ou em caso de extinção ou pedido de exoneração dela, independentemente de motivo. (Incluído pela Lei nº 12.112, de 2009)

Sabe aquela lista de trâmites processuais listadas acima, que culminaram na possibilidade de desocupação forçada apenas após mais de um ano? Veja a mudança:

- Distribuição da ação;
- Distribuição a uma das Varas Cíveis e remessa ao juiz;
- Despacho inicial determinando a citação dos réus Antônio e José – bem como a intimação de Antônio para desocupação do imóvel em 15 dias, sob pena de despejo forçado.
(...)

É isso mesmo. Ao receber a petição inicial, o juiz, em seu primeiro despacho, já determina a desocupação do imóvel.

Isto possibilita (i) que o débito não se alongue indefinidamente no tempo tornando-se impagável e transformando-se em fundo perdido ao proprietário, bem como (ii) a imediata disponibilização do imóvel para outra locação.

Mas nem tudo são flores!

Conforme o artigo de lei transcrito acima, o despejo liminar possui um requisito importante, que é o depósito judicial, pelo Locador, do valor equivalente a três meses de aluguel.

Trata-se de uma caução que, diante da procedência da ação ao final, poderá ser levantada pelo proprietário.

Deste modo, por esta exposição, esperamos ter esclarecido o título deste artigo, isto é, muitas vezes, um contrato sem garantia passa a ser mais vantajoso ao Locador por possibilitar a decretação do despejo imediato, reduzindo consideravelmente sua margem de prejuízo, ainda que, para tanto, seja necessário o depósito caução.

Em conclusão, a lógica é: a ausência de garantia pode ser muito melhor do que uma garantia fraca.

...............................................................................................................................

Disclaimers importantes para evitar interpretações equivocadas:

Importante1: em nenhum momento afirmamos que garantias locatícias sejam imprestáveis e que, em todo e qualquer caso, é melhor a ausência delas. Vide o caso do seguro-fiança, que é a garantia mais segura – e mais cara também;

Importante2: em nenhum momento afirmamos que, em todo e qualquer caso, o despejo liminar garanta uma ausência de prejuízo ao Locador, pois, logicamente, existem situações que uma boa garantia é imprescindível para cobrir – exemplo: danos ao imóvel;

Importante3: sim, existem outras hipóteses de despejo liminar, mas esse não é o objeto deste texto;

Importante4: a morosidade judicial descrita no texto utiliza-se de situação vista como regra. Mas existem, sim, varas judiciais muito ágeis.

Importante5: existe a possibilidade de ação de execução diretamente em face do fiador, o que pode acelerar os atos de execução dos valores atrasados, mas esta hipótese também não é objeto deste texto.

...............................................................................................................................

Quer nos seguir em nossas redes sociais? Abaixo, indico nosso perfil no Instagram (que acabamos de lançar e veiculará informações jurídicas relevantes!) e meu perfil no Linkedin, onde também compartilho informações e novidades jurídicas do diaadia:

https://www.instagram.com/rpsa_advogados/

https://www.linkedin.com/in/brunoperelli/

Outros textos relacionados:

Cuidado! Quem compra imóvel "sem escritura" não é dono!

Contrato de Locação: Reajuste e atualização do valor do aluguel

Por que o prazo da locação residencial costuma ser de 30 meses, mesmo que a lei assim não exija?

28 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Boa Tarde Dr. Bruno
Trabalho na área. No ato da celebração da locação, é a hora exata para se fazer as exigências legais e cobrir o contrato com a garantia que entender melhor. Na minha modesta opinião ainda fico com duas hipóteses, Garantia Fidejussória com dois ou mais imóveis dos Fiadores, Comprovante de renda dos fiadores, se possível copia da Declaração de ajuste do IR. E, finalmente consulta aos escritórios de serviços de crédito. A outra hipótese que é a mais acertada de todas é a Caução Imobiliária, quando a garantia passa a ser real, com um imóvel respondendo pelas obrigações do contrato de locação.

OBS: Em que pese o esforço na belíssima demonstração do contrato descoberto. Temos alguns aspectos que tornam inviável a meu ver: Caução de três meses de aluguel, a pessoa necessita do aluguel para complemento de renda, ou até mesmo para sua sobrevivência, como é que ela vai fazer a caução de 3 alugueis e pior na situação de não estar recebendo, motivo pelo qual ingressa com o pedido. Outro aspecto que reputo muito importante, trâmite do processo, ainda que com a liminar, demora, demora e como demora, na prática é complicado. Depois o inquilino sai, sobra água, luz, danos no imóvel, pintura pra reparar ou fazer tudo de novo, entupimentos, telhas quebradas, bem... tenho um catálogo. Aí pergunto? Quem vai garantir estas despesas, claro que será o proprietário, o inquilino não vai pagar nada mesmo, além do que o proprietário suportará a demora para a liberação do depósito dos 3 meses de aluguel. Fica aberta a discussão. continuar lendo

@joaocarlossilva731572

Aceito a discussão e por isso te convido a ler minha resposta à resposta do @ziha (Edu Rc) no meu comentário! continuar lendo

Tenho experiencia em área mais humildes porem não é favela, local bom.
Algumas dicas,,,,

se começar a pedir muita documentação, exigencia disso e daquilo, talvez fique sem alugar.
ao alugar, bata foto da carteira de identidade da pessoa e até tire uma foto com elas.
Se desconfiar de algo, pergunte se pode ir no local ou ligar onde estão morando nesse momento.
Pergunte se pode ligar para o atual dono da casa onde estão morando.
Se o aluguel for 500 reais, solicite 300 reais de calção para eventual contas de luz e algum serviço básico de pintura e prometa que vai devolver caso te entregue todas contas pagas e paredes limpas (isso força a manter tudo limpo e correto). Não peça um valor igual ao aluguei para não confundir com um aluguel de entrada...
Se tiver mais de uma casa ou quitinet alugada, e se tiver emprego, aposentado etc, cuidado multiplicado por 10 ao alugar para pessoas com crianças pequenas, ou para grávidas, simplesmente podem parar de pagar e não vai ter juiz no Brasil que vai ficar a seu favor e colocar uma mulher cheia de criança e grávida na rua... e se você forçar a barra pode ir até preso.

Coloque um segredo na luz que vai para os apartamentos ou casa , se ficarem no calote, desligue a luz e de preferencia quando na rua tiver chovendo ou a companhia arrumando alguma coisa, ate na água tem como colocar algum segredo.

Sempre tenha chaves reservas.

Nunca tenha caixas coletivas de água, é melhor ter 10 caixas para 10 apartamentos, pois se pegar um inquilino que fica meia hora no chuveiro 3x por dia, ele vai gastar a água dos 10 apartamentos e vai arrumar problema com 10 moradores, é melhor arrumar problema com 1 do que com 10.

A dica de ir onde a pessoa mora é infalível, o problema é se o dono da casa quiser se livrar da pessoa kkk
Ao alugar pelo olx, sempre fale que já tem alguém na frente mas pode mostrar sem compromisso, fale que tem uma irmã / mãe e que não vai arrumar confusão com a mãe.
Minha cunhado alugou um apartamento para um Magayver picareta, ele não pagava a luz e puxou por um interruptor a fase da área comum, e ficou meses usando a luz da escada, nessa situação tem que arrumar uma solução para limitar a corrente para as escadas, exemplo um disjuntos fraco de 2 amperes só para as escadas, quando o picareta ligar a geladeira, ele desarma cá na caixa em baixo e não afeta as lampadas. O cara deu um furo pelo interruptor de fora e puxou por dentro...pense.

Tentando ajudar. continuar lendo

Muito bom, parabéns!!! continuar lendo

Muito, muito boa exposiçäo continuar lendo